quinta-feira, 16 de maio de 2013

A carga suspeita do Bolama

Muita tinta tem corrido sobre a alegada carga ilegal que o navio Bolama transportava e que supostamente seria esse o motivo do afundamento. Especulou-se sobre uma acção da MOSSAD (serviços secretos israelitas) para interceptar urânio desaparecido do LNETI (Laboratório Nacional de Engenharia e Tecnologia Industrial), de um acto de sabotagem da UNITA ou da Frente Polisário devido ao tráfico de armas e até de narcotráfico alegadamente relacionado com as ligações de José Manuel Esteves, o genro de Salvador Caetano e Administrador da Crustacil, uma das empresas proprietárias do arrastão.


Navio Bolama


O que ficou provado em sede de justiça foi que o navio Bolama transportava seis toneladas de electrodomésticos adquiridos pelos pescadores guineenses, cerca de 400 garrafões de vinho, 10 tambores de 50Kg cada de produto de limpeza de piscinas e caixas de cartão prensado para embalar camarão. O que faltou explicar em tribunal é como nove húmildes pescadores naturais da Guiné Bissau conseguiram comprar seis mil quilos de electrodomésticos. Outra pergunta pertinente que se pode colocar no caso do navio transportar uma carga ilegal é o facto dos seus proprietários terem decidido ir fazer uma experiência de redes seguida de um almoço com convidados a bordo.
Nos dias seguintes, o Bolama deveria rumar à Guiné Bissau para a pesca do camarão...


Caso tenha alguma informação sobre o naufrágio do navio Bolama envie um e-mail: investigacaobolama@gmail.com