terça-feira, 14 de maio de 2013

MOSSAD "envolvida" no naufrágio do Bolama

Dezasseis dias depois do desaparecimento do Bolama, a 20 de Dezembro de 1991, o semanário "O Jornal" avançava que o navio transportava uma carga nuclear e que fora interceptado pela MOSSAD, os serviços secretos israelitas. No artigo não assinado podia-se ler:

“de acordo com fontes particularmente bem informadas, o destino do arrastão de 242 toneladas desaparecido no dia 4 de Dezembro último estaria relacionado com o transporte de uma carga nuclear, a qual deveria ser transferida para outro navio ao largo da costa portuguesa. O transbordo do material, alegadamente destinado a um país árabe norte africano, não se terá, contudo, chegado a efectuar, dado que o presumível navio receptor foi impedido de aparecer no local aprazado, devido à intervenção de agentes secretos israelitas, entretanto sabedores do que estaria para acontecer.
A carga alegadamente transportada pelo Bolama, cuja natureza exacta não foi até agora possível determinar, admitindo-se contudo que se tratava de material nuclear vendido por uma das ex-repúblicas soviéticas, destinar-se-ia presumivelmente à Líbia e a sua passagem pelo porto de Lisboa não teria sido autorizada pelas autoridades portuguesas.” 


Capa do semanário "O Jornal" de 20 de Dezembro de 1991



O Director do semanário "O Jornal" era José Silva Pinto que tinha como directores adjuntos Pedro Rafael dos Santos e Carlos Cáceres Monteiro. Até à presente data não existe qualquer prova da veracidade desta notícia.


Emblema dos Serviços Secretos Israelitas

Se estiver na posse de alguma informação sobre o naufrágio do navio Bolama, pedimos que nos contacte através do mail: investigacaobolama@gmail.com